Dão

A REGIÃO

Situada no coração de Portugal, a região do Dão é umas das regiões vitivinícolas mais antigas do nosso país, uma região de histórias e contrastes. A região é um autêntico museu da vinha e do vinho a céu aberto, pois nela ainda se podem encontrar a cada passo vestígios do passado.

As referências à vinha e ao vinho nos forais de quase todos os concelhos e nas posturas municipais atestam a sua grande importância social, económica e religiosa ao longo da história. É esta a primeira região demarcada de vinhos de pasto a ser regulamentada em Portugal no ano de 1910, embora tenha sido criada em 1908.


O acidentado do terreno, circundado por um conjunto de grandes serras que o protegem das influências exteriores (a poente encontra-se a serra do Caramulo, a sul a luxuriante Buçaco, a norte a serra da Nave e leste a imponente Estrela), que constituem uma importante barreira às massas húmidas do litoral ou aos agrestes ventos continentais, o minifúndio e a exuberante vegetação com verde de todas as tonalidades que vai alternando com rocha, contribuem para o quase anonimato da vinha na paisagem. E, no entanto, as videiras estão lá plantadas em cerca de 20 000 hectares, onde as gentes do Dão aproveitam as excelentes condições edafo – climáticas para explorar a sua ancestral aptidão agrícola.

A rede hidrográfica da região caracteriza-se por um traçado rígido indicando um ajustamento claro à estrutura do relevo por onde correm os dois principais rios da região – o Dão e o Mondego – cujos cursos apresentam um grande paralelismo enquanto percorrem todo o maciço granítico. O rio Alva é o terceiro importante curso de água da região.

As vinhas estão instaladas em terrenos de baixa fertilidade, predominantemente graníticos com diversos afloramentos xistosos que surgem a sul e a poente da Região. Ainda que se encontre implantada em altitudes que rodam os 800 metros, é entre os 400 – 500 que vegeta em maior quantidade.

O clima, não obstante ser temperado, é frio e chuvoso no Inverno e muito quente e seco no Verão, havendo contudo variações microclimáticas de grande importância para a qualidade dos vinhos. Encontram-se, assim, reunidas as condições únicas para a produção de vinhos com características próprias e bem definidas.

Para além das condições edafo-climáticas especiais, as características particulares dos vinhos do Dão estão profundamente relacionadas com o uso das castas mais apropriadas, dentro das recomendadas para a região.
 As principais castas destinadas à produção dos vinhos DOC Dão são as seguintes: Alfrocheiro, Jaen, Tinta Roriz e Touriga Nacional, no tintos, e Encruzado nos brancos.

Deixe-se perder nos caminhos e paisagens do Dão e faça as merecidas paragens para contemplar o que esta terra lhe levou ao copo.

in: CVR DÃO